Pular para o conteúdo

Olá colegas

21/09/2009

Esse é o nosso espaço de discussão acerca das leituras do Seminário Temático.

Abraços

One Comment leave one →
  1. Prof. Valmir da Silva permalink
    02/10/2009 13:22

    “Ninguém é sujeito da autonomia de ninguém” Freire resume nesta frase minha concepção de autonomia, pois, ser autonomo está além da “libertade” de decisões, expressões e movimentos, acredito que a essência da autonomia está no pensamento, na criticidade e na tomada de decisões conscientes. Penso que o sujeito outonomo tem a possibilidade de ver o mundo com “outros olhos”. Um exemplo disso está numa das cenas clássica do filme “Sociedade dos Poetas Mortos” no momento que o professor “Capitão meu Capitão” deixa a sala e a maioria dos alunos sobem na classe para dizer que aprenderam, a partir de sua Pedagogia’ a ver o mundo com “outros olhos”, essa tomada de consciência lhes deu, com toda certeza, perspectivas de serem sujeitos da sua própria história. Frei Betto, num agradecimento a Freire escreve na contra capa do livro Pedagogia da Autonomia “[…] A sua Pedagogia professor, permitiu que os pobres se tornassem sujeitos políticos. […]” “O pobre sabe, mas nem sempre sabe que sabe. E quando aprende é capaz de expressões como esta que ouvi da boca de um senhor, alfabetizado aos 60 anos. […] O senhor fez os pobres conquistarem auto-estima. […] Eles aprenderam que “Ivo viu a uva” e que a uva que Ivo viu e não comprou é cara porque o país não dispõe de política agrícula adequda e nem permite que todos tenham acesso a alimentação básica”. Frei Betto continua em seu agradecimento a Freire ressaltando a importância de sua Pedagogia na conquista da autonomia de seus “alunos”, segundo Frei Betto, esses sujeitos “foram emergindo da esfera da ingenuidade para a esfera da crítica; da passividade à militância, da dor à esperança; da resignação à utopia”. Autonomia para mim é isso, ver o mundo com “outros olhos”, ter liberdade de pensamento, consciência crítica e política, capacidade de reconhecer em sí e no outro a possibilidade de ser sujeito da sua própria história na construção de um mundo no qual o homem possa agir a partir da ética e da consciência crítica, fazendo assim, parte integrante e constante do processo democrátio de uma sociedade para todos.
    Um abraço, Prof. Valmir da Silva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: